Por Luís Fernando Praga.

Antes de mais nada, é importante esclarecer que o termo “coxinha” será usado sem intenção pejorativa, mas no intuito de simplificar e enquadrar as pessoas que lutaram pelo impeachment da Presidenta Dilma e ainda se orgulham disso, as pessoas que apoiam Jair Bolsonaro e suas propostas, as pessoas contrárias à defesa dos direitos humanos, as pessoas que apoiam os caciques políticos do PSDB, as pessoas que apoiam as “Bancadas da Bíblia, da Bala e Ruralista”, as pessoas que não enxergam o golpe, as pessoas que lutaram para que o Brasil chegasse ao sofrível ponto em que se encontra e não se movimentam para que ele possa se recuperar, as pessoas que odeiam Lula, as pessoas contrárias à libertação de inocentes, as pessoas que dizem que bandido bom é bandido morto, as pessoas que preferem apontar defeitos alheios a fazer a autoanálise, as que repudiam a esquerda movidas por um medo irracional e sem embasamento histórico, pessoas que argumentam com base em preconceitos e as pessoas que agem como a rede globo e a mídia golpista determinam, pessoas que agem como os banqueiros, os políticos, juízes e megaempresários golpistas esperam que elas ajam.

Você, coxinha, é tão humano quanto eu, é meu irmão. Creio que você possa ter inúmeras qualidades que eu não possuo e que pode ser muito melhor e mais inteligente que eu em diversos aspectos! Eu poderia ter me tornado um coxinha como você, não fossem as influências diferentes que sofremos em nossas vidas, mas não dá pra continuar coxinha num momento como este e eu espero que você enxergue isso.

A união é uma necessidade e, caso você, coxinha, se transforme e deixe no passado as ignorâncias que o tornam um coxinha, você será muito bem-vindo à luta da humanidade, a essa união e a um futuro melhor. Eu não sou a elite para pregar a desunião, mas a polarização é evidente!

Dito isso:

Em quais das “cabeças do golpe” o coxinha padrão ainda confia?

Se o coxinha não confia mais em Aécio, Temer, Cunha, etc., em quem ele confia? Por que ele ainda apoia e sustenta esse golpe?

Quando o coxinha infeliz perceberá que o golpe foi praticado por criminosos desesperados, tanto por voltarem ao poder sem a necessidade de eleições, quanto para não se tornarem presas da Lava Jato, “estancando a sangria, num grande acordo nacional, com os generais, com o supremo e com tudo”? Quando o coxinha entenderá Romero Jucá?

Quando o coxinha padrão irá perceber que os golpistas já entregaram o pré-sal e que só nos querem trabalhando para eles, sem questionar, sem parar, sem saúde e sem educação?

Quando o coxinha de bem irá perceber que o golpe foi e continua sendo contra ele próprio, que é povo como eu?

Quando o coxinha decidirá levar em consideração quais e quantas são as pessoas, além de uma escola de samba inteira, de uma legião de mais de 8.000 juristas, dos artistas e intelectuais que o alertavam e que continuam alertando quanto ao golpe e seu impacto histórico? Quando chegarão a ter noção do ridículo que passaram?

Isso só será possível ao fim da ignorância, ao fim do ódio, porque apenas um ódio muito grande pode ofuscar tanto a percepção e impelir alguém a gerar tamanho mal a si mesmo, a seu país e a tanta gente inocente, sem perceber.

O coxinha padrão é feito no ódio, é encharcado de ódio, é cego de ódio e é perdido na ignorância, tanto que até isso ele ainda ignora e leva sua vida sentindo-se gente de bem.

O coxinha foi produzido, ao longo da história brasileira, por criminosos poderosos, e aprendeu errado, como queriam os criminosos, a ostentar seus ódios e se orgulhar de suas ignorâncias.

O coxinha, ignorante e hipócrita, aguarda o retorno de Jesus para resolver as demandas humanas, enquanto implora pela prisão de inocentes, julga sem provas, clama pelo sofrimento alheio, propaga calúnias e se cala diante de assassinatos, das pilhagens cometidas pela elite e do preconceito, o motivo maior das piores injustiças cometidas contra o ser humano.

Eu, e muitos mais, lutamos pelo fim da ignorância.

Por mais que os criminosos engravatados e togados queiram que pareça impossível ao povo brasileiro se enxergar como povo e que, como tal, aprenda a agir unido, de modo a garantir seus direitos, sua dignidade e galgar a prosperidade, mas socialmente, como povo; por mais que nos subestimem, eu acredito e luto por essa consciência!

Por mais que a “tropa da elite” (QUE NÃO É POVO! ELITE NÃO É POVO! ELITE É O 1% QUE ESCRAVIZA, MANIPULA, POLARIZA, ENVENENA E SE ALIMENTA DE POVO!) controle suas ovelhas, através da mídia e das igrejas, para que o rebanho defenda os interesses e zele pelos privilégios do “pastor”, enquanto é descarnado em vida, eu não preciso nem posso acreditar que esse poder vá durar pra sempre!

Os que lutam pelo fim dessa ignorância também sofrem, mas têm muito mais motivos para crer em felicidades e na salvação de suas vidas através de um caminho guiado pela boa luta do que num caminho guiado pelo ódio, pela desesperança, pelo desprezo à ciência ou pela crença em qualquer salvação messiânica.

O fim dessa ignorância está nas mãos de cada um de nós, e só! Simples assim! Já a volta do messias, as soluções vingativas, o ódio contra o semelhante, os preconceitos, a segregação e a violência, esses estão nas cabeças dos coxinhas e nas mãos manipuladoras da Elite, que não tem o menor interesse em mudar nada!

Deixe de ser coxinha e vire povo! Há quem acredite em você! Você pode! Entretanto, até que isso aconteça, queira ou não, consciente ou não, você é um amigo da elite, um amigo da escravidão, um inimigo da liberdade e um inimigo do povo e é também contra você que o povo desperto e unido lutará! É triste ter você assim a meu lado!

#LulaLivre