Não, não somos mortos

7 out

Somos trinta e nove milhões de mortos!

Ainda que alguns de nós estejamos vivos. Alguns muitos de nós.

Nós somos a população deste pobre país, país que ainda insistimos em chamar de nosso, nem sei por que falamos assim, que optamos por não votar nas eleições que ocorreram outro dia.

Nós não votamos, anulamos nossos votos ou votamos em branco.

Nós optamos por não participar desta encenação, desta fraude estruturada e corrompida em seus conceitos.

Nao morriAlguns muuuitos gostam de me “xingar” de petista, entre os quais há estes reacionários de plantão, esta elite burguesa branca que sequer concorda que alguns muitos (tantos!) eleitores paulistas fazem escolhas pelo menos esquisitas para representá-los por até oito anos.

Não estou morto, ainda. Nós não morremos, ainda.

Nós apenas não concordamos com esta peça que aí é encenada.

Nós apenas não queremos participar disto que está espalhado em nosso (nem sei por que dizemos nosso) país.

Pessoalmente, mesmo que a alguns dê prazer em assim me rotular, não sou petista. Já fui. Por várias décadas. Mas não sou mais.

Atualmente sou apenas um anti-psdbista.

Não suportarei esta gente, ainda que o mal seja a mim imputado por mim mesmo. Esta gente que quando assumiu o poder apenas dilapidou o patrimônio do povo, por tantas décadas, construído sobre o suor e até mesmo ligado pelo sangue de muitos. Esta gente, em apenas oito anos, conseguiu elevar em mais de duzentos por cento a dívida pública quando comparada ao PIB (de algo como 30% do PIB quando chegaram, para 78% do PIB ao saírem). E não fizeram, sequer, um investimento digno de nota. Ao contrário, venderam/entregaram o patrimônio do povo para seu próprio benefício. Iludiram, mentiram, enganaram e apropriaram-se de coisas e de ideias, nunca de ideais.

Sou contra e repudio esta gente que representa tanta coisa que eu repudio profundamente. Esta gente é ligada de forma carnal, como em duas cidades antigas que o criador teria eliminado, aos ricos e poderosos que exploram e tripudiam sobre os pobres, rotulados por um de seus líderes como ignorantes.

Esta gente repudia e discrimina a nós nordestinos (incluo-me por ser mineiro nascido em Recife/PE), tratando-nos como inferiores. Esta gente estimula procedimentos racistas e discriminatórios de forma exacerbada, ainda que dissimulada.

Mas, mesmo assim, isto ainda não me estimulou a votar, mantendo-me fiel a uma decisão tomada há muito tempo. Mas, é claro que, volúvel como sou, ainda poderei votar no segundo turno.

Mas, sobretudo, senhor jornalista, assalariado e mantido por uma mídia cretina e cafajeste, não morri, ainda. Nem eu nem outros trinta e nove milhões de companheiros e companheiras. Nós nos recusamos a compactuar, validando, esta porcaria tida da qual você vive e se locupleta.

Ainda não morri, mas acredito que serei anti-psdbista até lá. Além do mais, repudio, com toda a minha potência estimulada por comprimidos, este menino do Leblon, ligado e amigo de gente estranha que parece dilapidar não mais o patrimônio mas a juventude e saúde de nosso povo já sofrido e humilhado.

Ainda não morri. Ainda não morremos.

Uma resposta para “Não, não somos mortos”

Trackbacks/Pingbacks

  1. ASIM É. PAÍS SEM PUDOR! E HÁ QUEM MULTIPLIQUE COISAS IDIOTAS ASSIM… | Gustavo Horta - 12 12-03:00 fevereiro 12-03:00 2017

    […] “Não, não somos mortos“ […]

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: